Para que votar?

A democracia, mesmo com suas falhas, é um sistema político que em teoria dá a possibilidade de todo cidadão e cidadã participar dos processos de decisão. Na prática a gente sabe que nem sempre é bem assim, pois os representantes eleitos muitas vezes não respondem aos interesses do povo.

No sistema democrático o povo vota, escolhe seus representantes e deposita neles a confiança para que em seu exercício dos diferentes cargos no poder executivo e legislativos possam conduzir o destino da sociedade pelo caminho do bem comum. Não podemos esquecer que fazer política é buscar o bem comum, o bem para todos os homens e mulheres que fazem parte do entramado social, fomentando políticas públicas que ajudem a evitar que as pessoas sejam vulneradas e descartadas.

Votar é depositar a confiança em alguém que vai me representar, que vai votar ou executar as leis que façam possível que a sociedade se torne espaço de encontro, de diálogo, de convivência, espaço onde as pessoas possam crescer e desenvolver suas potencialidades em benefício da coletividade, de todos e todas, mas especialmente daqueles que mais precisam.

A sociedade precisa cuidar dos pequenos, da totalidade, não se constrói sociedade quando se pensa só em pequenos grupos de poder político, económico, religioso…, se faz necessário pensar além de nós, além daqueles com quem nos une algum tipo de ligação. O verdadeiro político, o verdadeiro cidadão tem um olhar amplo da realidade, se preocupa com o crescimento comum, socorre as necessidades daqueles que sofrem, seja qual for o motivo desse sofrimento.

No último domingo, na Igreja católica era lida a parábola do homem rico e o pobre Lázaro, uma situação que deve nos levar a refletir sobre a sociedade em que a gente vive. Num Brasil onde existem alguns homens ricos e milhões de Lázaros somos desafiados a nos questionarmos para quem é que olham aqueles que na eleição deste domingo 2 de outubro são candidatos e candidatas aos diferentes cargos que serão votados.

O Brasil precisa de pessoas, também de políticos, que olhem para os milhões de Lázaros que existem no país, um número que vai crescendo, aumentando assim os desafios provocados pela pobreza e a fome. A população é chamada a escolher, na medida em que quer fazer realidade o objetivo principal da política, cuidar daquilo que é de todos e não de pequenos grupos, candidatos dispostos a colocar na mesa àqueles que hoje não podem nem pegar as migalhas que os poderosos deixam cair no chão.

É tempo de entender o significado e o valor do voto, é tempo de ser cidadãos e cidadãs que tenham a coragem de olhar em frente e olhar para todos e todas, mas com um olhar compassivo, misericordioso, samaritano para os que não contam. Uma sociedade que não cuida de todos, uma democracia que não olha para todos vai perdendo seu sentido e se tornando uma marionete nas mãos dos que só se preocupam por si próprio.

Crédito: Luis Miguel Modino, assessor de comunicação CNBB Norte1 – Editorial Rádio Rio Mar

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin

Posts Relacionados

Nos Envia uma Notícia